Para entender o DIreito de Família - Livro - Nascido Gay? deJohn s. H.


Por minha afinidade com o Direito de Família, sempre recebo de amigos, alunos, colegas, etc, livros que tratam direta ou indiretamente da questão.

Há poucos dias, desse modo, chegou-me às mãos o livro "Nascido Gay? - Existem evidencias científicas para a homossexualidade?", do geneticista John S. H Tay.

Trata-se de obra interessante, por tentar desconstruir o discurso tão batido pelos movimentos gay de que a pessoa homossexual não se torna gay ao longo da vida, mas nasce assim.

O livro apresenta e comenta inúmeras pesquisas de ordem geneticista que tentam demonstrar que não existe qualquer fundameto do ponto de vista biológico que justifique que algumas pessoas apresentem opção sexual por indivíduos do mesmo sexo. Incluíndo, com certo destaque, a questão do cromossomo XQ28, que é apontado por alguns estudiosos como o suposto "Cromossomo Gay".

A matéria é de grande relevancia para o Direito de Família moderno, em face da enorme repercussão das uniões homoafetivas no Brasil. Merece realce, também, o fato de ser uma publicação que contradiz a prórpia diretriz do IBDFAM e de outros campos da sociedade que pregam as uniões gays sem maior discussão sobre a matéria.

Fato negativo, é apenas o fato de ter sido publicado por uma editora evangélica, que torna parcial o interesse na discussão.

Mas vale a leitura pelo acréscimo na discussão e por oferecer uma renovada opinião sobre a questão.

1 comentários:

  1. Caro Professor Dimitre Soares,

    Como bem mencionado, é de se duvidar da credibilidade científica de uma obra dessa vindo de uma editora evangélica, que normalmente é contra a união homoafetiva. Nota-se o interesse ideológico-religioso reacionário advindo de tal obra que irá (supostamente) distorcer a ciência para enquadrá-la a luz da religião cristã para promover, nas entrelinhas, o preconceito à união entre os iguais, afirmando que gostar do mesmo sexo é uma opção. Acredito que ser hetero não seja uma opção, mas a própria orientação sexual do individuo imbuída em seu sistema límbico.Para o homossexual, a situação é a mesma. Pois no mundo não existe um terceiro gênero, intitulado de Homo, Bi, ou Trans... O que existe são homens e mulheres, assim como, macho e fêmea (Para os animais, é claro). A orientação sexual não define o caráter, nem a inteligência do indivíduo. A obra não traz renovada opinião sobre o assunto, pois sustenta o arcaico preconceito pela sua gênese de procedência. Sendo a editora suspeita em tratar do assunto!
    Como bem diz Miguel Reale, ao qual cito de memória (pois não estou com seu livro em mãos, no momento): " A ciência nunca é completa, sempre repleta de correntes e paradigmas". Talvez, o preconceito seja um paradigma a se romper e a aceitação do diferente, da forma que o é, seja algo a se estudar e praticar.

    Cordialmente.

    Daveslley OLiveira Cardoso.

    ResponderExcluir