Pra que serve um amigo?

Caros amigos, este texto foi feito por Anny Emmanuela, minha aluna, e proferido com muita emoção em seu discurso como oradora da aula da saudade de sua turma.



Para que serve um amigo?

Para rachar a gasolina, emprestar a prancha, recomendar um disco,
dar carona para festa, passar cola, caminhar no shopping, segurar a barra?
Todas as alternativas estão corretas, porém isso não basta para guardar um amigo do lado esquerdo do peito.
Milan Kundera, escritor tcheco, escreveu em seu último livro, "A Identidade", que a amizade é indispensável para o bom funcionamento da memória e para a integridade do próprio eu.
Chama os amigos de testemunhas do passado e diz que eles são nosso espelho, que através deles podemos nos olhar.
Vai além: diz que toda amizade é uma aliança contra a adversidade,
aliança sem a qual o ser humano ficaria desarmado contra seus inimigos.

Verdade verdadeira.
Amigos recentes custam a perceber essa aliança, não valorizam ainda o que está sendo contraído.
São amizades não testadas pelo tempo, não se sabe se enfrentarão com solidez as tempestades ou se serão varridos numa chuva de verão.

Veremos.
Um amigo não racha apenas a gasolina:
racha lembranças, crises de choro, experiências. Racha a culpa, racha segredos.
Um amigo não empresta apenas a prancha. Empresta o verbo, empresta o ombro, empresta o tempo, empresta o calor e a jaqueta.
Um amigo não recomenda apenas um disco. Recomenda cautela, recomenda um emprego, recomenda um país.
Um amigo não dá carona apenas para festa. Te leva para o mundo dele, e topa conhecer o teu.
Um amigo não passa apenas cola. Passa contigo um aperto,
passa junto o reveillon.
Um amigo não caminha apenas no shopping. Anda em silêncio na dor,
entra contigo em campo, sai do fracasso ao teu lado.
Um amigo não segura a barra, apenas. Segura a mão, a ausência,
segura uma confissão, segura o tranco,
o palavrão, segura o elevador.

É a voz do gostar, É a voz do alertar,
dizendo nas palavras, hei! acorde... Quero te ajudar!!!
É a voz que vem com o que precisamos ouvir, ler, perceber, interiorizar...
Quando não conseguimos ler a nós mesmos,
Quando nos falta o chão, o teto, o rumo..
Vem como um "cutucão" benigno.. Uma sacudida, Um alerta..
Uma sirene que soa o nobre sentimento, de luz, imenso cuidar..
Vem com tanta verdade, mas, com o cuidado de não magoar..
Uma voz que Deus usa, que vem devagar.. Que inunda...
Que traz alegrias.. Que contagia..
Uma voz de anjo,
Uma voz de irmão escolhido...
Presentes e presente..
Nos dois sentidos..o de estar e o de jóia inestimável..
Um mestre de consciência... Mestre paciente para ouvir,
Ser cúmplice nas dores e alegrias...
Mãos estendidas,
Dádiva da vida...
únicos.

0 comentários:

Postar um comentário