Direito de Família e Jurisprudência - STJ - É possível adoção póstuma, mesmo quando não iniciado o processo em vida


Amigos, segue mais um belo julgado do Superior Tribunal de Justiça, que revalida o conceito de reconhecimento de filiação afetiva (socioafetividade) pós-morte. No caso específico, a Terceira Turma do STJ entendeu ser possível o que se chamou de "adoção póstuma, mesmo quando não iniciado o processo em vida", ou seja, os fatos levam a crer que a intenção do pai afetivo era adotar o menor, mesmo que ele não tenha manifestado expressamente essa intenção em processo regular de adoção, como prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente..

Abaixo, o texto disponibilizado pelo STJ:

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu que é possível a adoção póstuma, mesmo que o processo não tenha sido iniciado com o adotante ainda vivo. A maioria do colegiado seguiu o entendimento da relatora, ministra Nancy Andrighi, que sustentou a necessidade de se reconhecer que o artigo 42 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) não limita a adoção póstuma aos casos em que o desejo de adotar é manifestado ainda em vida.

“O texto legal, na verdade, deve ser compreendido como uma ruptura no sisudo conceito de que a adoção deve-se dar em vida”, assinalou a ministra.

Segundo ela, a adoção póstuma se assemelha ao reconhecimento de uma filiação socioafetiva preexistente. No caso julgado, essa relação foi construída pelo adotante falecido desde que o adotado tinha seis meses de idade.

“Portanto, devem-se admitir, para comprovação da inequívoca vontade do adotante em adotar, as mesmas regras que comprovam a filiação socioafetiva: o tratamento do adotado como se filho fosse e o conhecimento público dessa condição”, afirmou a ministra.

Elementos probatórios

A ministra ressaltou que o pedido judicial de adoção, antes do óbito, apenas selaria, com a certeza, qualquer debate que porventura pudesse existir com relação à vontade do adotante.

Segundo ela, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul constatou, com os elementos probatórios disponíveis, que houve manifestação da vontade do adotante, embora não concretizada formalmente.

“Consignou-se, desde a sentença, que o recorrido (adotado) foi recebido pelo adotante como filho, assim declarado inclusive em diversas oportunidades em que o conduzira para tratamentos de saúde”, destacou a ministra Andrighi.

0 comentários:

Postar um comentário