Antônio Gramsci, o ridículo!!!

De férias, perambulando pela internet, infelizmente encontrei um site de amantes da obra de Antônio Gramsci , admiradores anacrônicos de uma construção de mundo que não vingou! Lembrei-me, com certa dose de tristeza, da bobagem acadêmica que fui obrigado a escutar umas tantas vezes nas aulas do Mestrado em Direito da UFPB por colegas que tinham ficado perdidos na época da “pedra lascada”, e insistiam em fazer abordagens gramscianas. Um tédio acadêmico, assim como quase tudo na academia é tedioso.

Bem, de volta aos admiradores de Antônio Gramsci, urge lembrar que o dito doutrinador comunista italiano preconizava a superação do senso comum pela manipulação constante e paulatina da opinião pública em prol do movimento comunista. Dito de outra forma, ele defendia uma letargia intelectual e moral progressiva, massificada e destituída do senso crítico. Essa epopéia pseudo-intelectual era contrária à revolução armada ocorrida na Rússia comunista, e planejava atingir o poder aos poucos, lentamente, abarcando diversos setores do Estado, até chegar ao poder definitivo. Claro que a idéia é contra o sistema democrático, pois viola a discussão geral e a noção crítica de certos setores da sociedade e serve como mecanismo de aplicação do pensamento proletário. Alguma relação coincidente com o Brasil do PT e de Lula???

Por sinal, a política externa do Brasil nos últimos 08 anos foi pautada nesse ideal, e é mundialmente reprovada. Foi recentemente chamada de "Política megalomaníaca do G-Nada"! (Lembrem-se do “Foro de São Paulo”, de Hugo Chavez e de Fidel Castro, etc...)

Felizmente, Gramsci é um derrotado! Derrotado por idéias absurdas que restaram comprovadamente infrutíferas ao longo do tempo, derrotado pelo pensamento ultrapassado, derrotado pela contínua vitória do capitalismo, derrotado pelo necessidade ridícula de impor o pensamento comunista sem criticar seu cerne. Sempre que os comunistas conseguiram o poder, eles impuseram ditaduras caquéticas e vergonhosas. Gramsci perdeu! Falta apenas alguém avisar aos gramscianos de plantão que eles precisam de um novo ícone para seguir....

1 comentários:

  1. O comunismo pretende igualar o inigualável. E no fim, sua doutrina social resulta em ditadura, corrupção, perseguição política, banimento para a Sibéria, morte certa no Gulag soviético ou Paredon cubano.

    Todo este trágico deslinde acima mencionado, que a própria História comprovou, mostra claramente a prejudicialidade do comunismo.

    O marxismo é um sistema social falido, incapaz de subsistir ao seu próprio dilema de fracasso. Ademais, jamais se dá por vencido. Mesmo que agonize como um doente que ao sentir a essência estranha da morte, recusa-se a se despedir de sua dolorosa vida.

    Pior do que tentar implantar o paraíso celeste na terra, consiste em acreditar na insensatez paradoxal da mencionada doutrina social. Nesse sentido, resgatá-la através da releitura enviesada de seus pensadores (Marx, Lênin, Trotsky, Engels, Gramsci, Cardeal Evaristo Arns e Cia Ltda.) seria uma loucura recusada por qualquer lunático, detentor da mínima sensatez.

    Deixo a lume, que não os critico como pessoas. Afinal, já estão mortos. Os falecidos não ouvem críticas; pelo menos no mundo real.

    Apenas critico o sistema político-social que os referidos "pensadores vermelhos" defenderam até a morte. Mortis advocatus sectus quoq tibi iniquitatis (Morro convicto, mesmo tendo que defender a iniqüidade).

    Não foi o capitalismo que derrotou o comunismo. Foi o próprio comunismo que se esfacelou por si mesmo. Mostrando-se, evidentemente, um sistema político quimérico e aniquilador da liberdade em seus variados aspectos, pois pior do que privar o indivíduo do seu livre arbítrio consiste em fazê-lo esperançoso dos ilusórios méritos marxistas. Méritos estes, meramente teóricos, balbuciados em subjetividades malfadadas (misturadas com gnose e evolucionismo) e saturados de retórica vazia: semelhante aos manifestos da CNBB da campanha da fraternidade: longos, chatos, indigestos de marxismo e saturados de fenomenologia desgastada. Que não resgatam nem de longe a piedade, a fé e o sentimento cristão de busca por renovação e testemunho. Ao contrário, aumentam a descrença e o tédio nos católicos.

    O comunismo nega a verdade objetiva (real e dogmática). Tudo é subjetivo, individual e passageiro. Exceto a própria ESTULTICE, esta escrita em letras garrafais! O marxismo é irracional neste aspecto e em tantos outros. Se não há verdade, para que lutamos para encontrá-la? Acaso para nos iludirmos? Ou para afagar nossos disparates e fracassos, buscando o inexistente? Se não existe verdade, fechem-se os tribunais, as universidades, as catedrais, dissolvam as CPI's e as ditas "comissões de verdade"! Inexistindo a verdade, é permissivo o império do caos.

    Então façamos "vista grossa em tudo". Permitamos o progresso e a massificação dos escândalos políticos! Sejamos coniventes com suas dissimulações e fraudes...seus silêncios cúmplices. Cheios de anedotas pessimamente contadas, visando iludir-nos com promessas progressistas e humanitárias. Quem sabe, por mero acaso, as referidas anedotas estejam suficientemente contadas para que entendamos o que de fato são: mentiras reiteradas.

    Até que quando vamos suportar a foice e o martelo?

    ResponderExcluir