maio 28, 2019

Promoção de aniversário - Leis Civis Especiais no Direito de Família com 40% de desconto

Promoção de aniversário - Leis Civis Especiais no Direito de Família com 40% de desconto



Caros amigos, nosso livro estará em promoção na próxima sexta-feira, dia 31 de maio, no site da Editora Juspodium: https://www.editorajuspodivm.com.br/leis-especiais-para-concursos-v32-leis-civis-especiais-no-direito-de-familia-2018

nformações gerais:

Promoção: Aniversário de 16 anos da Editora Juspodivm
Data:   31/05/18,   das 7h às 23h (horário de Brasília)
Local: loja física (Salvador) e todo o site  - https://www.editorajuspodivm.com.br/
Desconto: 35 até 40%  sobre o preço de capa (preço de capa) em  qualquer obra disponível
Bônus: Frete grátis para todo  o Brasil  
Importante: site fechado  das 12h do dia 30/05 (quinta)  até as 7h do dia 31/05 (sexta)

maio 28, 2019

Amigos, a notícia é do ano de 2018, mas continua super atual, acerca da fixação de alimentos em valores diferentes para filhos distintos. Vale a pena conferir!

Fonte: STJ

Terceira Turma admite alimentos em valores distintos para filhos de diferentes relacionamentos

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) admitiu que pensões alimentícias pagas por um pai a filhos de relacionamentos diferentes possam ser fixadas em valores distintos. O colegiado levou em consideração a capacidade financeira das mães das crianças.
O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) havia reduzido uma das pensões de 20% para 15% sobre os rendimentos líquidos do pai. A mãe interpôs recurso especial sob o fundamento de que a decisão teria dado tratamento discriminatório entre os filhos, uma vez que foi destinado ao outro filho, fruto de outro relacionamento, o percentual de 20%.
A relatora, ministra Nancy Andrighi, reconheceu que, em regra, não se deve fixar a obrigação de alimentos em valor absoluto ou percentual diferente entre a prole, uma vez que os filhos, indistintamente, necessitam ter acesso a condições dignas de sobrevivência em igual medida.
Natureza flexível
No entanto, a ministra destacou que essa igualdade não é um princípio de natureza inflexível e, no caso apreciado, não reconheceu nenhuma ilegalidade na decisão do TJMG. Segundo ela, as instâncias ordinárias verificaram que a mãe que recorreu da decisão possui maior capacidade contributiva do que a genitora da criança que recebe o percentual maior.
“É dever de ambos os cônjuges contribuir para a manutenção dos filhos na proporção de seus recursos. Assim, poderá ser justificável a fixação de alimentos diferenciados entre a prole se, por exemplo, sendo os filhos oriundos de distintos relacionamentos, houver melhor capacidade de contribuição de um genitor ou genitora em relação ao outro”, disse a ministra.
Reais necessidades
Nancy Andrighi citou ainda outro exemplo de arbitramento diferenciado de pensão que seria justificável e não ofensivo ao princípio da igualdade. Ela chamou atenção para a importância de serem avaliadas as reais necessidades dos filhos, como no caso de um recém-nascido, incapaz de desenvolver quaisquer atividades, e um filho mais velho, capaz de trabalhar.
“Seria possível cogitar de uma potencial violação ao princípio da igualdade entre filhos se houvesse sido apurado que eles possuem as mesmas necessidades essenciais e que as genitoras possuem as mesmas capacidades de contribuir para a manutenção de tais necessidades, mas, ainda assim, houvesse a fixação em valor ou patamar distinto. Dessa situação, contudo, não se trata na hipótese dos autos, motivo pelo qual não merece reparo o acórdão recorrido no particular”, concluiu a relatora.
O número deste processo não é divulgado em razão de segredo judicial.